Muito provavelmente você já ouviu falar nas Bobbers, Choppers, Trackers, Scramblers, Brats, Cafe Racers e até Brat-Bobs, mas acredito que pouco ou quase nada você leu ou ouviu sobre as motos Diggers, acertei? Então vamos à história das motos mais rápidas, coloridas e excêntricas dos tempos dourados do motociclismo.

Há um longo tempo atrás, em uma chopper shop muito, muito distante, alguém (provavelmente Arlen Ness) construiu a primeira Digger Chopper. Longas e baixas, as Diggers são marcadas por seus tanques de combustível em formato de prismas ou caixões e por suspensões dianteiras no estilo Springer ou Girder.

`77 Perewitz Ironhead / Billy Childress

Drags e Show bikes

De um lado da história estão as Drag Bikes, despidas de todo excesso de peso, otimizadas para máxima potência e estampadas de patrocinadores e fabricantes, motocicletas construídas para arrancada são a experiência extrema que qualquer um poderia experimentar no mundo do motociclismo. Do outro lado da mesma história existem as também extremas Show Bikes, repletas de trabalho manual artístico e criadas para chamar a atenção ao invés de queimar pneus. Ambos estilos foram feitos para competir, mas não foram pensados para o uso cotidiano nas ruas. Nos anos 70 as digger bikes exploraram o imenso deserto que separava os dois extremos.

Arlen Ness (Foto: Cyril Huze Blog)

O criador

Arlen Ness foi o maior entusiasta das diggers, naquela época. Entretanto, de onde ele e mais alguns buscaram inspiração para o que se tornou o estilo digger é um assunto até hoje indefinido. Alguns atribuem a origem das diggers ao estilo das choppers de São Francisco, na Califórnia; outros dizem que foram as drag bikes que os inspiraram, mas o que ninguém discute é que a novidade resultava de uma mistura entre as tendências.

O que é muito verdade é que, lá em 1976, revistas como a Street Chopper tinham mais e mais capas relacionadas às Digger Bikes. Bem alongadas e pouco distantes do chão, as diggers eram esbeltas, com tanques em forma de diamante, suspensões dianteiras no estilo girder ou springer, pinturas exóticas e, em vários casos, muitas gravuras. Combine tudo isso a muitos superchargers, kits de turbo e carburadores de competição. Estes eram os sintomas mais comuns da febre digger.

Exclusive Born Free 7 Invited Builders – Dalton Walker / John Zamora

A herança das digger

Apesar da era digger findar lá pelos meados dos anos 80, quando motociclistas buscavam motos mais corpulentas, a influência das digger nunca se afastou por completo. Olhe de perto para uma Pro Street Chopper e você encontrará reminiscências das ancestrais diggers.

Trippin’ Out / Dave Polgreen’s ’66 Harley-Davidson Shovelhead Digger/ Words: David Polgreen Photos: Michael Lichter

Teoria da evolução

As peças para o que se tornaria o “estilo digger” só foram colocadas juntas em 1971. A capa da revista Street Chopper de março de 71 expunha uma longa chopper com um antigo tanque em formato de caixão, num estreito quadro rígido. Durantes os próximos 5 anos, as diggers ganharam muita notoriedade.

Exclusive Born Free 7 Invited Builders – Bobby Middleton / John Zamora

O ano da Digger

Nos 1 ano e meio seguintes, a Street Chopper estampou tantas capas com elas que podemos dizer que 1977 foi o ano das Diggers. Quase todo exemplar incluía uma delas na capa.

Arlen Ness (Foto: Cyril Huze Blog)

 

Ness & Harmon

O foclore chopper diz que Arlen Ness apareceu com sua primeira Digger (montada sobre um quadro de sportster) após participar de uma corrida de arrancada, no início dos anos 70. Do mesmo modo, John Harmon criou suas próprias versões de digger por volta de 1976, equipadas com as famosas frentes girder e seus vigorosos motores.

Foto: The Street Chopper Staff

Tanques memoráveis

Os tanques e as pinturas eram tão extravagantes quanto o restante das motocicletas em si. Lataria e funilaria eram moldadas para a perfeição. O design dos tanques de combustível variava, porém sempre com ângulos acentuados, lembrando diamantes, caixões ou tumbas. Padrões de cores emergiram, fazendo com que as motos parecessem ainda mais excêntricas. Brilho, fluorescência, pinturas perolizadas, metálicas e flakes fizeram grande parte no destaque do movimento digger.

E aí, o que achou das Diggers? Já tinha ouvido falar? Comente aí e compartilhe este post!

Via The Street Chopper. Tradução livre por Nader Hamdan.